Você está aqui

Sitivesp promove Encontro de Repintura Automotiva

O Sitivesp (Sindicato da Indústria de Tintas e Vernizes do Estado de São Paulo) realizou no dia 9 de abril, o primeiro “Encontro de Repintura e Complementos Automotivos”, de 2016. O evento aconteceu na Escola Senai Conde José Vicente Azevedo, no Ipiranga.
 
Dentre os temas, processos de pintura, erros, prevenção e correção;reparos rápidos e produtividade nas oficinas; polimento e embelezamento com foco nas oficinas; tri-coat e tintas especiais; uso correto da régua e copo de catálise.
 
Para a coordenadora da Comissão de Repintura do Sitivesp, Vanessa Rossi, o objetivo da Comissão é levar a informação ao pintor, para que ele se profissionalize cada vez mais. “Acredito que se profissionalizando mais, o mercado se abre para ele”.
 
Esse ano serão realizados quatro eventos, sendo o próximo em Suzano. “O intuito é dar palestras sobre problemas que acontecem na oficina. Como evitar esses problemas e reduzir o retrabalho. Com menos uso de material ele gera uma economia na oficina e melhora o nível do trabalho”, diz.
 
 
Palestras
 
Processo de Pintura – Erros, Prevenção e Correção – foi o tema abordado por Ricardo Alves Borges. Segundo ele, diante da correria do dia a dia esses eventos são importantes para tirar dúvidas sobre processos, o que pode e não pode ser feito. “A gente tenta passar o máximo de conhecimento, pois a mão de obra está cada vez menos qualificada. Então esses eventos são de suma importância para gerar multiplicadores, para o pessoal ficar bem treinado, saber o que está fazendo e até ganhar mais dinheiro”.
 
A busca do mercado pelos “Reparos Rápidos” foi tema da palestra de Marcelo Oliveira. Ele explica que muitos donos de veículos acabam se tornando reféns do carro e questionam a demora no reparo. A palestra também abordou os cuidados com a saúde e a importância da utilização de EPIs. “Muitas vezes o pessoal não utiliza o EPI. Cada vez mais estamos investindo em tecnologia para fazer um produto que agrida menos o profissional e o meio ambiente, mas o uso do EPI é fundamental”.
 
Maurício Varjão da Costa falou sobre “Polimento e Embelezamento com Foco nas Oficinas”. Ele diz que o tema é polêmico, pois às vezes o um trabalho ou um serviço pode estar fora do real valor, ou ele pode estar perdendo ou ganhando muito. “A ideia foi dividir os processos, deixar bem clara as diferenças entre os processos e valorizar o trabalho que é feito”.
 
Tri-Coat e Tintas Especiais – Conceito e Aplicação foi o tema de Diego Henrique do Carmo. Ele explicou o avanço dessa tecnologia e a necessidade de ficar atento ao uso correto do produto e as técnicas de aplicação.
 
Encerrando os trabalhos, Rogério Melo explicou o uso correto da “Régua e Copo de Catálise”. Segundo ele, 90% dos problemas de uma oficina estão no uso incorreto da régua. “Muitas oficinas têm problemas e precisam repintar o carro, por não usar corretamente a régua que seria a coisa mais básica. Hoje nessa crise, se você precisar repintar o carro, entra menos carro, gasta mais material, aí vai quebrar”.